Notícias

Como atua o cirurgião-dentista na Rede de Atenção do SUS no tratamento de Doenças Respiratórias Crônicas não transmissíveis

Crianças e idosos são os grupos mais afetados por essas condições clínicas, que entre outros agravos, estão associados a problemas bucais.

O atendimento odontológico de pacientes com doenças respiratórias crônicas não transmissíveis (DRC) tem se tornado bastante comum na Atenção Primária à Saúde, linha de cuidado considerada a primeira instância de assistência no SUS. De acordo com especialistas e pesquisadores da área, o cirurgião-dentista deve avaliar a pessoa com DRC de forma meticulosa e conhecer as particularidades desses agravos a fim de oferecer o melhor tratamento para manifestações bucais associadas a essas doenças.

Segundo o Ministério da Saúde, a Rede de Atenção à Saúde (RAS) desempenha um papel fundamental nesse cenário. “A RAS se trata de um modelo de assistência presente no SUS que conecta diferentes agentes, locais e tecnologias com vistas a ofertar um cuidado integral à população, em oposição a um modelo fragmentado e restrito de atendimento com base apenas no tratamento de sintomas”, destaca o Ministério da Saúde.

Para entender o que é e como funciona a RAS, é necessário considerar três elementos básicos que possibilitam a sua articulação: uma condição clínica específica; uma infraestrutura operacional e, por fim, um modelo de atenção à saúde que preconiza a continuidade e a integralidade do cuidado.

A Atenção Primária à Saúde, além de ofertar o atendimento, o diagnóstico e a reabilitação para diferentes doenças e agravos clínicos, é responsável também por se comunicar com os demais pontos da Rede e coordenar, portanto, a oferta dos serviços em saúde. 

Quando o paciente não tem todas as suas demandas atendidas na APS, ele é encaminhado para outros níveis de atenção mais especializados e a Atenção Primária - composta por uma equipe multiprofissional - possui mecanismos para desenvolver um plano terapêutico colaborativo e que contribuirá para a continuidade da assistência, respeitando as necessidades do paciente, em diferentes centros de atenção e referência.

Com o apoio da RAS, é possível ofertar um tratamento mais abrangente e duradouro para pacientes com condições clínicas complexas e que necessitam de atendimento multiprofissional e intersetorial, como determinados casos de Doenças Respiratórias Crônicas não transmissíveis.

DOENÇAS RESPIRATÓRIAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS

As DCRs são doenças crônicas respiratórias que atingem as vias aéreas superiores (faringe e  laringe),  e inferiores - traqueia, brônquios, bronquíolos, alvéolos  e pulmão -, do corpo humano. Não possuem cura, mas o tratamento é fundamental para reduzir sintomas e garantir a qualidade de vida da pessoa diagnosticada. 

De acordo com Ana Margarida Melo, Doutora em Saúde Coletiva e autora do curso Assistência odontológica para pacientes com DCNT: doenças respiratórias crônicas,  o tratamento de casos leves e moderados das doenças respiratórias deve ser realizado pelas equipes da Estratégia de Saúde da Família (ESF). “Por atuarem de forma próxima das famílias, conseguem melhor adesão ao tratamento, permitindo maior controle dos sintomas, com consequente diminuição do número de internações hospitalares e aumento da qualidade de vida.” 

A asma, a rinite alérgica e a doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC) são algumas das DRCs de maior incidência na população, particularmente entre crianças e idosos. Além da complexidade e dos diversos fatores de risco associados às DRCs, pessoas com essas condições podem manifestar determinados sintomas orofaciais, como respiração bucal, defeitos no desenvolvimento do esmalte dentário, doença periodontal e cárie.

O PAPEL DO CIRURGIÃO DENTISTA NA REDE DE ATENÇÃO À SAÚDE

Segundo Ana Margarida Melo, é importante que o dentista que atua  nesse contexto trabalhe em parceria com os outros profissionais da APS. “O cirurgião-dentista deve discutir, planejar e realizar atendimentos integrados aos outros profissionais da Equipe de Saúde da Família, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida do paciente com doenças respiratórias crônicas”. 

Com o objetivo de auxiliar as equipes de saúde bucal  na assistência correta a essas demandas, a UNA-SUS/UFMA oferta o curso Assistência odontológica para pacientes com DCNT: doenças respiratórias crônicas. As matrículas podem ser realizadas por meio deste link  e ficam abertas até o dia 31 de outubro. As aulas têm início imediato.

Com carga horária de 60 horas, o curso é gratuito e ofertado na modalidade a distância com metodologia autoinstrucional, ou seja, sem a mediação de tutores. O público-alvo são cirurgiões-dentistas que atuam na Atenção Primária à Saúde, além de estudantes de graduação e demais interessados pela temática.

A capacitação é fruto da parceria entre o Ministério da Saúde e a Universidade Federal do Maranhão, por meio da Diretoria de Tecnologias na Educação (DTED/UFMA), Universidade Aberta do SUS (UNA-SUS/UFMA) e Grupo SAITE (CNPq/UFMA). O certificado é gratuito e chancelado pela UFMA.

Cadastrado Por: Maiara
Ultima edição Por: Maiara
Data de Publicação: 20/09/2022